Crítica com Café: Universidade Monstros


universidade_monstros

E a Pixar preferiu não sair da sua bolha em “Universidade Monstros”. O que não dá para chamar de erro, já que este é o filme mais ‘redondinho’ – bem divertido, mesmo – da empresa desde “Toy Story 3”. O que preocupa não é o filme em si, mas o que ele representa.

A Pixar passa por uma evidente crise de ideias desde “UP – Altas Aventuras”, de 2009. Desde então, só o desfecho de “Toy Story” e agora o prólogo de “Universidade Monstros”, dois antigos sucessos da rede, deram resultado. “Carros” já era fraco desde o primeiro – o fracasso da sequência era óbvio. Já “Valente” tem as melhores intenções do mundo, mas só funciona pela metade.

Para voltar a conquistar a opinião do público (que costuma coincidir com o da crítica neste gênero), foi preciso tirar os monstros do armário e fazê-los frequentar a faculdade, com todos os esteriótipos da juventude dentro dela – um agrado aos pais, que passaram a adolescência assistindo aos filmes de John Hughes.

Pois é. Tudo recorre ao passado. Fica difícil não ficar com medo do futuro de uma empresa que foi a mais criativa da década passada e agora aparece assim, só reciclando velhas histórias. De pioneira, a Pixar virou saudosista. A impressão que ficou quando eu saí de cinema é que ela pode ter crescido demais para brincar com as crianças de hoje em dia.

por Rafael Monteiro

Anterior Fotógrafa faz retratos comoventes de cães em abrigos
Próximo As esculturas em livros de Thomas Wightman